A Pandemia e a Escola

A pandemia, afetou a rotina de todo mundo, e as crianças e adolescentes também sofreram seus efeitos devastadores. Independentemente da idade as crianças e adolescentes vem apresentando alterações importantes tanto no comportamento em casa com a família e amigos, como em seus hábitos alimentares.

O brincar tornou-se um hábito solitário, muitas vezes acompanhado somente do celular e videogame. Os amigos são frases escritas no WhatsApp, fatos “antigas” e lembranças do passado não tão distante. 

Me preocupa, como pediatra, o medo apresentado por muitos de voltar a escola, de voltar a vida pré-pandemia, e  apesar dos riscos à saúde física, os riscos a saúde mental e ao equilíbrio emocional destes pacientes pode ser atingido de forma irremediável.

A ansiedade gerada pela impossibilidade de sair, de encontrar amigos e familiares é outro fator que colabora para os transtornos alimentares, por exemplo, muitas crianças e adolescentes ganharam peso, tanto pelo aumento da ingesta de guloseimas e fast food quanto ao sedentarismo, acarretando sobrepeso e obesidade. Insônia ou excesso de sono são também consequências da ansiedade. E como tentar contornar esses problemas? 

Atividades físicas em casa, tal como dançar são recomendadas, bem como caminhadas, agora que os parques reabriram, sempre utilizando máscaras. Sabemos que nem sempre os pequenos conseguem utilizá-las corretamente e muitas vezes os maiores apresentam resistência ao seu uso; porém esses cuidados são necessários.

É imprescindível que os pais incentivem as atividades com os amigos se não de forma presencial, com vídeo chamadas ou reuniões nas várias plataformas digitais, onde ocorra além de conversas, o olho no olho, não há o toque, mas há a proximidade, o sorriso que esses encontros virtuais podem proporcionar. 

Não sabemos ainda quanto tempo tudo isso vai durar, portanto preservar nossas crianças e adolescentes através de medidas simples e seguras faz parte da atenção integral a saúde.

Dra Eliana Auricchio

Dra Eliana Auricchio

Pediatra e Hebiatra

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *